terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O que não te contam sobre a Síria - Parte V

Repetição do mesmo script da Líbia
  • Os ataques terroristas contra o povo sírio, o armamento e a participação de mercenários são orquestrados a partir do estrangeiro.
  • Dois vídeos sobre o envolvimento EUA.
Alfredo Embid.
O duplo atentado suicida nesta sexta-feira 23 de dezembro contra edifícios públicos, em Damasco, causou 17 mortes de civis (mais 14 sacos de restos não identificados). 21 militares mortos e mais 150 pessoas feridas, a maioria civis. [1]






Manifestações na esteira de sexta-feira 23 de dezembro em Damasco [2]


Os atentados aconteceram no dia seguinte após a chegada de observadores  da Liga Árabes ,  quando as portas foram abertas para os observadores internacional , por decisão do governo, seguindo o plano russo para evitar a guerra.
No caso de observadores da Espanha, as portas já estavam abertas, isto é um fato, nós mesmos recebemos um convite, através da plataforma contra a guerra em Madrid, da União dos Estudantes sírios para viajar a seu país como observadores.



A visita dos observadores da Liga Árabe suscitou mais um escândalo, mais tarde comprovado com mais uma mentira da mídia.


O infame canal de propaganda Al-Arabiya, em Dubai nos Emirados Árabes Unidos, anunciou em uma de suas "notícias" que um membro do Comitê dos observadores da Liga havia sido ferido por disparos das forças de segurança sírias, como alegado por um suposto comitê de coordenação. O tal consultor Mistashar Mahjub expressou o desejo de matar dos sírios e os atos de genocídio contra eles.


Acontece que a notícia era falsa! Esta afirmação não foi um desmentido do governo sírio, mas um comunicado emitido pela Secretária-Geral do quartel de operações da Missão de Observadores da Liga Árabe, no Cairo: "A pessoa que fez as tais declarações não pertence à Missão de Observadores Liga. Mahjoub Mistashar não existe, é uma invenção.".


Mas al-Arabiya não retirou a notícia após o desmentido oficial da Liga Árabe e da Comissão. [3]


Um bom exemplo de que não interessa a esses grupos qualquer intenção de diálogo: A abertura aos observadores internacionais e a divulgação de seus resultados é algo que a "oposição" tenta evitar a todo custo. Mantém assim o mito de que o governo proíbe a entrada da mídia, em aberta e franca contradição com os numerosos jornalistas que já estão trabalhando e relatando os acontecimentos da Síria, alguns cujos testemunhos já publicamos em boletins anteriores e que são frequentemente boicotados pela mídia dos países comprometidos com o imperialismo e o sionismo.


Esta oposição orquestrada de fora não está interessada em que observadores internacionais e, especialmente, pessoas independentes vão à Síria, porque este fato iria tornar mais evidente as calúnias sobre o que realmente acontece no país e qual é a vontade da maioria do povo sírio. Algo que, obviamente, não desejam as pessoas que fomentam a queda do governo e a guerra.


As mentiras de pernas curtas da Al Jazeera


Embora este seja o primeiro ataque terrorista real na capital Damasco, houve outra tentativa que resultou em fracasso. No domingo, 20 de novembro, as infames cadeias de propaganda de guerra do Qatar e de Dubai, Al-Jazeera e Al-Arabiya "informaram" o ataque à sede do Partido Baath em Damasco. De acordo com a Al Jazeera, dois homens em uma motocicleta dispararam dois foguetes contra o prédio que foi atingido e que o ataque foi reivindicado pelo exército sírio livre neste mesmo domingo, em sua página no Facebook.

Por sua parte, o freqüentemente citado pela imprensa ocidental "Observatório Sírio dos Direitos Humanos", cuja sede se encontra em Londres, acrescentou que dois foguetes adicionais foram disparados, mas erraram o alvo. Como de costume, esta suposta "informação" foi tomada em coro por todos os meios de comunicação internacionais, que não se deram ao trabalho, nem tiveram a preocupação, de verificar sua veracidade.


A propaganda de guerra não se verifica, é o que é e ponto. Mas um fato iria perturbar esta criminosa operação de guerra psicológica. O historiador belga Pierre Piccinin, que já denunciou a fraude dos 500.000 manifestantes em Hama (ver o nosso primeiro boletim sobre a Síria), também divulgado pela mídia internacional sem verificação, se deu ao trabalho de comprovar os supostos fatos que estavam sendo difundidos pela mídia.




""Minha família mora perto da sede do Partido Baath,o edifício está intacto, isto é uma mentira."" Na segunda-feira, dia 21, perguntei a um amigo que também mora em Damasco para verificar as informações para mim e tirar uma foto da sede do Baath, com a edição do dia de um jornal ocidental conhecido em primeiro plano para que não pudesse haver nenhuma dúvida sobre a data em que esta fotografia fora tirada ". [4]


Foto de Pierre fraude Piccinin que revela a fraude das cadeias  de propaganda da Al-Jazeera e Al-Arabiya e
 de todos as mídias de desinformação ocidentais.

Esta mentira descarada é mais uma prova do interesse em golpear psicologicamente a população síria e internacional fazendo crer que  a  oposição interna é forte. Mas se realmente  fosse forte, não necessitaria recorrer a  mentiras como esta ou como a do falso membro da Liga Árabe ferido e  muito menos, a atentados terroristas suicidas, como o de sexta-feira, dia 23 de dezembro, em Damasco.


No início de dezembro, grupos armados atacaram uma base militar na província de Idlib, matando pelo menos oito soldados.  

De acordo com o altamente suspeito “ Observatório Sírio para Direitos Humanos”, sediado em Londres, o ataque foi realizado por um grupo de desertores do exército, mas a opinião generalizada na Síria é que  não são desertores, mas os militantes apoiados, financiados e armados pelo EUA, Israel e Turquia. [5]


O recente atentado em Damasco só conseguirá unir ainda mais a população em torno do governo, mesmo os críticos do regime, como vem acontecendo. O historiador Pierre Piccinin, durante sua estada na Síria, em julho, nos conta como "as minorias da Comunidade (cristãos, drusos, curdos, xiitas , além dos alawi e parte da comunidade sunita), se solidarizaram com os protestos e, inclusive, declarando seu apoio ao regime".
As brutas e bárbaras imagens  do massacre [6] podem ser vistas na Agência de Notícias Sana da Síria. O texto de  Fernando Casares [7] discute a estratégia clássica de acusar a vítima, método utilizado pela  oposição, amplificada pelos meios de desinformação.
Pelo menos 6 países armam a “oposição pacífica”
Já falamos em edições anteriores do tráfico de armas a Síria. (http://www.voltairenet.org/+-Syrie-+?lang=es )

Agora, tornou-se claro e evidente que as armas passam livremente pelas fronteira da Síria vindas do exterior, mais especificamente, da Turquia, Líbano, Israel e até da Líbia. [8] com a ajuda da Jordânia e Qatar.

Na verdade, a "oposição" exterior criada pelas agências de inteligência estrangeiras é armada por grupos estabelecidos na maioria dos países que fazem fronteira com a Síria.


O mesmo cenário da Líbia está se tentando repetir na Síria, mas a maioria absoluta da população está reagindo: aumenta o apoio ao governo.




Da Turquia



A ex-tradutora de turco do FBI, Sibel Edmonds, em entrevista ao Russia Today (RT), no dia 16 de dezembro, afirmou que, segundo suas fontes militares, Washington está armando e treinando os rebeldes antigoverno da Síria, na Turquia. Há relatos de centenas de tropas dos EUA e da OTAN treinando militantes para derrubar o governo sírio. De acordo com suas fontes de informação, isto acontece desde Maio de 2011.


"Por que não ouvimos algo sobre isso na mídia norte-americana?"pergunta Sibel Edmonds.



Ver suas declarações no vídeo Tropas dos EUA e da OTAN treinam na fronteira com a Síria (Inglês). [10]


http://www.youtube.com/watch?v=XNzSmIdr3JY&feature=player_embedded

O jornal turco Milliyet revelou que também a França está treinando na Turquia e no Líbano  grupos sob o nome de "exército livre", que são  financiados e armados também pela Grã-Bretanha, Washington e pela Turquia e que, esses grupos se infiltram na Síria a partir  de uma base da província turca de Hatay. [11]
 
Mapa: Província de Hatay e Iskenderun no sul da Turquia.

Diplomatas em Bruxelas confirmaram que as operações da OTAN criaram um centro de comando em Iskenderun, na Turquia, no noroeste da Síria.



A razão oficial dos argumentos para a criação deste centro de comando é criar "corredores humanitários para a Síria", uma desculpa denunciada por Pepe Escobar: "Embora estes "humanitários" vêm dos países membros da OTAN: EUA, Canadá e França e dos membros do GCC : Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, o pretexto é que apenas "instrutores inocentes" e que não formam parte da OTAN. Não custa dizer que estes filantropos são parte de tropas dos exércitos de terra, mar e ar, especialistas de armamentos. Sua missão: se infiltrar no norte da Síria, especialmente em Idlib, Rastan e Homs, mas acima de tudo, o seu objectivo principal é Aleppo, a maior cidade da Síria, com pelo menos 2,5 milhões de pessoas, onde a maioria são sunitas e curdos ". [12]


Em Londres, William Hague, ministro das Relações Exteriores se reuniu com representantes da oposição síria para assegurar que a Turquia pretende cria, em breve, uma zona franca dentro da Síria! [13]

Em agosto de 2011, a Turquia  iniciou a movimentação de seus próprios soldados aposentados e suas unidades de reserva militar na fronteira Turquia-Síria. [14]


A Turquia, não podemos esquecer, é membro da OTAN e hospeda armas nucleares estadunidense, em suas bases. Recentemente,  concordou com a transferência para seu território, de bases que a OTAN tinha  na Espanha e com a construção de novo radar contra o Irã [15], no contexto de um sistema que, também, circunda e ameaça a Rússia.
 
Na verdade, a Turquia está jogando um papel-chave na acolhida do auto proclamado exército livre da Síria, nutrindo-o com armas provenientes do Qatar, Líbano e Iraque, bem como com voluntários e mercenários de diversos países árabes treinados por membros dos EUA e OTAN, que já estavam no país.



Um papel semelhante desempenhado pelo Paquistão que hospedou os “combatentes pela liberdade” cujo objetivo era desestabilizar o governo afegão e provocar a ajuda soviética. No caso da Síria, a Rússia já enviou seus navios de guerra para a costa da Síria, incluindo seu único porta aviões, apesar de estar seguindo uma prudente política diplomática.

Do Líbano.



Existem redes de contrabando de armas que operam a partir do Líbano "para fortalecer o poder dos "opositores" ... que multiplicam as operações através da fronteira contra as forças de segurança sírias" [16] .


O Líbano também é utilizado para o contrabando de armas à Síria, como comprovado pelas várias apreensão dessas transferências, feitas pelo governo sírio, mas também pelo governo libanês. Muitas dessas armas eram as armas que o Pentágono tinha secretamente redirecionado do Iraque ocupado ao Líbano, pelas forças anglo-americanas, durante a presidência de George W. Bush Jr. [17]

Da Jordânia.


De acordo com a tradutora de turco do FBI, Sibel Edmonds, "grupos militares estrangeiros, estimados em centenas de indivíduos, tomaram posição na cidade de al-Mafraq no norte da Jordânia na fronteira com a Síria" (que fica a apenas 10 km de Síria).




De acordo com um site jordaniano, "autoridades ocidentais" solicitaram permissão ao rei Abdullah II para instalar uma estação de comunicação e escuta eletrônica, perto da fronteira com a Síria. Uma de suas funções é convencer oficiais sírios a derrubar o presidente, Bashar al-Assad, ou pelo menos, a se rebelar contra o regime.


Um avião militar dos EUA procedente do Iraque desembarcou militares na base aérea Príncipe Hassan, cerca de 100 quilômetros de Mafraq, e um posto de comando da OTAN foi implantado perto da aldeia Al-Houshah, a poucos quilômetros da base de aérea Rei Hussein localizadas em Mafraq. [18]


O jornalista sírio, Nizar Nayouf denuncia em vídeo que, segundo fontes da Jordânia, que as tropas dos EUA estão na fronteira da Jordânia com a Síria [19]

Vídeo: Entrevista com Nizar Nayouf (em Inglês) :
Não é surpresa para ninguém que a base aérea de Mafraq há 5 décadas ( desde 1960) serve como um centro de treinamento para a “oposição” síria, onde são treinados pela CIA, o MI6 britânico e serviço de inteligência militar israelense. [20]
Mapa de localização de al-Mafraq ao norte da Jordânia e Iskenderun, na província de Hatay, ao sul da Turquia, dois pontos usados para desestabilizar a Síria.

Os serviços de inteligência jordaniana, que podem ser considerados como uma extensão da CIA, do MI6 e da Mossad, obviamente, colaboram com essa movimentação no sul da fronteira com a Síria.



Um oficial militar jordaniano que preferiu o anonimato, disse que centenas de soldados falando outros idiomas, além do árabe, foram vistos, durante os últimos dias, indo e vindo, em veículos militares, no percurso que compreende a área entre a base aérea Rei Hussein , em AL-Mafraq e os arredores de aldeias jordanianas próximas, incluindo Albaej, incluindo Albaej, a área em torno da barragem Sarhan, as aldeias de al-Nahdah Zubaydiah, adjacente à fronteira com a Síria. [21]


O ministro da área de Comunicação e Mídia do Estado da Jordânia, Rakan al-Majali, inclusive admitiu publicamente que a cidade de Al-Ramtha, na Jordânia, será usada para lançar ataques a cidade de Daraa, na Síria, além de ponto de contrabando de armas. [22]


Na realidade, a Jordânia não está apenas enviando armas para a Síria, mas trabalha em todos os níveis afim de desestabilizar seu governo, em estreita colaboração com Israel e os Estados Unidos, como vem fazendo há muitos anos. Jordânia atua como uma barreira protetora para proteger Israel, impedindo que armas cheguem aos palestinos na Cisjordânia ocupada.
Do Iraque.

Embora o governo do Iraque, como o do Egito e da Argélia, tenha se recusado a endossar as sanções impostas pela Liga Árabe contra a Síria, vários relatórios indicam que vem desses países armas e centenas de fundamentalistas para desestabilizar a Síria .


Desde o início dos protestos, já foram apreendidos carregamentos de armas, explosivos e munições contrabandeadas do Iraque.


Neste exato momento, os fundamentalistas sunitas iraquianos declararam que Bashar al-Assad é um "inimigo infiel" e apelam aos seus combatentes a irem lutar na Síria. Segundo fontes oficiais do exército sírio, "cerca de 400 jihadistas iraquianos" já penetraram no território sírio. [23]


Mais uma vez, os fundamentalistas sunitas coincidem suas ações com os planos dos EUA, que libertou centenas de prisioneiros de suas prisões no Iraque sob condição  destes participarem da formação de um exército de mercenários e irem para a Síria, lutar contra o governo e fomentar agitação. Anis al-Naqqash, político libanês, afirmou que este grupo está entrado ilegalmente na Síria através da Turquia. [24]


Não deixa de ser tristemente irônico que durante a invasão do Iraque liderada pelos Estados Unidos, o governo de Bashar al-Assad acolheu mais de 300.000 refugiados. A Síria foi o país que mais acolheu os refugiados iraquianos, e arcou, em conseqüência, com enorme carga financeira para oferecer todos os cuidados públicos garantidos ao cidadão. Posteriormente, com o decorrer da guerra, mais refugiados vinham se instalar na Síria e ainda hoje , com todo o terror psicológico, poucos são os refugiados que abandonam o país. [25]

Do Qatar


As armas também chegam à Síria através do Qatar, como na Líbia, este país está desempenhando um papel crucial no fomento da guerra. O Canal de TV “Rússia Today” informou que o Qatar está financiando a “oposição” síria com a ajuda do Conselho Nacional da Líbia. Além do financiamento, fornecem armas aos grupos terroristas na Síria, de acordo com relatórios da inteligência. O canal acrescentou que Qatar transfere armas da Líbia para a Síria através do território turco. [26]


Da Líbia


A Líbia não está somente fornecendo armas em parceria com o Qatar. O Conselho Nacional de Transição da Líbia (CNT) teve uma reunião secreta em Istambul com o seu homólogo sírio, o Conselho Nacional Sírio(CNS). O resultado não se fez esperar:


Conforme noticiou o sítio Web de notícias egípcia Al-Ray Al-Arabi, citando suas fontes, Mustafa Abdul Jalil, do Conselho Nacional de Transição da Líbia (NTC), já enviou 600 mercenários de suas tropas para a Síria. O informe precisa que os mercenários da Líbia se uniram ao chamado exército livre da Síria e entraram na Síria através do território turco. [27]


Para ressaltar que os casos da Síria e Líbia fazem parte da mesma estratégia, deve ser lembrado que o NTC (Libyan Conselho Nacional de Transição NTC), em meados de outubro, foi o primeiro “governo” a reconhecer o “Conselho Nacional Sírio” como "legítima representante povo sírio ".


Faz todo o sentido, uma vez que ambos foram criaturas construídas ilegalmente pelas potências ocidentais. Em ambos os casos, contra o povo que supostamente dizem representar.

Abdelhakim Belhaj no centro
É notável, que no seio da  liderança dessas forças líbias fundidas com o chamado “exército livre sírio” se econtre precisamente Abdelhakim Belhaj, líder histórico da Al-Qaeda na Líbia, que foi promovido a governador militar de Trípoli, pela NATO. Boletim n º 407 ¿ que realmente está acontecendo na Síria? Parte V. Rebeldes da Síria apoiada por Washington sob o comando de um "ex"-terroristas da Al-Qaeda.Thierry Meyssan. http://ciaramc.org/ciar/boletines/cr_bol407 . htm
De Israel

Um enviado da Síria para a Liga Árabe revelou que Israel entra com o fornecimento de armas automáticas. Este mesmo relatório lembra que tanto o Líbano, como a Síria interceptaram carregamentos dessas armas de procedencia israelenses para dentro da Síria. [28]


Por exemplo, em setembro deste ano, as autoridades do Governo de Homs apreenderam um carro Peugeot 404 carregado com quantidades de armas israelense, artefatos explosivos, dois detonadores controlados por rádio, munição e uniformes militares. [29] As armas , escopetas, metralhadoras e lançadores de foguetes israelenses são fornecidos sempre clandestinamente e em abundância. [30]

É perfeitamente coerente já que a Síria não reconhece o estado sionista de Israel, é o lar de milhares de refugiados palestinos, e apóia ativamente as resistências, apóia o Hamas e o Hezbollah, e, para completar é um aliado do Irã.



REFERÊNCIAS

[1] Listado con los nombres de los mártires caídos en el doble atentado terrorista Dec 27, 2011.


http://www.sana.sy/spa/212/2011/12/27/390826.htm

http://www.sana.sy/spa/212/2011/12/27/390826.htm

[2]Actividades nacionales en varias ciudades sirias en homenaje a las almas de los mártires y condena a los ataques terroristas Dec 25, 2011

http://www.sana.sy/spa/340/2011/12/25/390174.htm

[3] Una fuente responsable de L.A.: La persona que dio declaraciones a algunos canales satelitales sobre la situación en Homs no pertenece a la Misión de Observadores, Yamil Kassawat, Elías S. Dec 26, 2011

http://www.sana.sy/spa/213/2011/12/26/390719.htm

[4] Syrie: autant en emporte le vent… Pierre Piccinin. 23 novembre 2011

http://www.michelcollon.info/Syrie-autant-en-emporte-le-vent.html?lang=fr

[5] Grupos armados atacan un base militar siria dejando 8 soldados muertos

Publicado por hussein on 2nd diciembre 2011
2 Comentarios » PRESS TV / GS NEWS

[6] Dos atentados terroristas en Damasco perpetrados por dos suicidas… el Ministerio del Interior: los dos actos terroristas llevan las huellas de Al-Qaeda. Dec 23, 2011. http://www.sana.sy/spa/340/2011/12/23/390169.htm

[7] ¿Los Hermanos Musulmanes de Siria responsables del doble atentado suicida en Damasco?

Fernando Casares.
http://el-julepe-producciones.blogspot.com/2011/12/los-hermanos-musulmanes-de-siria-serian.html

[8] http://www.smh.com.au/world/libya-to-arm-rebels-in-syria-20111126-1o088.html

[9] Whistleblower Sibel Edmonds: ‘US is arming rebels in Syria’ Voltaire Network
21 December 2011
http://www.voltairenet.org/Whistleblower-Sibel-Edmonds-US-is

[10] US and NATO troops train on the Syrian border. Subido por RTAmerica el 15/12/2011
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=XNzSmIdr3JY

[11] Nouvelle croisade contre la Syrie L’art de la guerre. Manlio Dinucci. 6 decembre 2011. Ilmanifesto.it http://www.ilmanifesto.it/area-abbonati/in-edicola/manip2n1/20111206/manip2pg/14/manip2pz/314543/

[12] Pepe Escobar. The shadow war in Syria. La guerre de l'ombre en Syrie

L'oeil vif. 4 decembre 2011. Asia Times/Comaguer

www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=ESC20111204&articleId=28028

[13] Syrie, Iran, Pakistan, une ceinture de feu traverse le continent eurasien ! Léon Camus 18 decembre 2011- Geopolintel – 2011-12-08. www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=CAM20111218&articleId=28267

[14] The March to War: Iran and the Strategic Encirclement of Syria and Lebanon. Mahdi Darius Nazemroaya. Global Research, December 24, 2011. Strategic Culture Foundation – 2011-12-02. www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=28018

[15] «L'expression printemps syrien est une pure fiction» Thierry Meyssan et F. B. 18 decembre 2011 Le Temps d'Algérie http://www.letempsdz.com/
: www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=MEY20111218&articleId=28262

[16] G. Malbrunot Le Figaro Cf. 29 nov.

[17] The March to War: Iran and the Strategic Encirclement of Syria and Lebanon. Mahdi Darius Nazemroaya. Global Research, December 24, 2011. Strategic Culture Foundation – 2011-12-02. www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=28018

[18] US Troops Begin Operations on the Jordan-Syria Border, par Sibel Edmonds
http://www.informationclearinghouse.info/article29960.htm

[19] Vidéo: US Troops Deploying on Jordan-Syria Border
http://www.youtube.com/watch?v=-v1h1bUfCVc

[20] Préparatifs de guerre contre la Syrie à la frontière jordanienne? Gilles Munier. 16 decembre 2011
france-irak-actualite.com
www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=MUN20111216&articleId=28241

[21] http://el-julepe-producciones.blogspot.com/2011/12/tunez-recibe-burhan-galiun-presidente.html

[22] The March to War: Iran and the Strategic Encirclement of Syria and Lebanon. Mahdi Darius Nazemroaya. Global Research, December 24, 2011. Strategic Culture Foundation – 2011-12-02. www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=28018

[23] Siria exige la vuelta a la Liga Árabe a cambio de aceptar observadores. Gara.
http://www.gara.net/paperezkoa/20111206/308032/es/Siria-exige-vuelta-Liga-Arabe-cambio-aceptar-observadores

[24] EEUU envía terroristas para luchar contra el Gobierno de Siria
Publicado por hussein 1,2 diciembre 2011 PRESS TV / GS NEWS

[25] La Syrie vue depuis l’Irak. Domenico Losurdo. Le 5 aout 2011. Le blog de Domenico Losurdo
Editado en el blog del autor el 1º de agosto 2011. http://domenicolosurdo.blogspot.com/

[26] Lynn A., Yamil K.¨Rusia Today¨: Qatar suministra armas a los grupos terroristas armados en Siria . Dec 05, 2011. Damasco, SANA.

[27] Report: New Libyan Regime Sends 600 Troops To Fight In Syria. Global Research, November 30, 2011. Russia Today - 2011-11-29. www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=27946

[28] "Israel admite que arma a los revolucionarios sirios". Richard Walker. American Free Press No. 45, 07 de noviembre 2011.
http://www.americanfreepress.nethttp//kaosenlared.net/territorios/t2/internacional/item/890-israel-admite-que-arma-a-los-rebeldes-sirios.html

[29] Israeli Weapons, Explosive Devices, Ammunition and Stolen Military Uniforms Seized in Homs
Sep 27, 2011
http://www.sana.sy/eng/337/2011/09/27/371671.htm

[30] Le Canard enchaîné » y Milliyet citados en : The shadow war in Syria. La guerre de l'ombre en Syrie. Pepe Escobar. L'oeil vif. 4 decembre 2011. Asia Times/Comaguer
www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=ESC20111204&articleId=28028

[31 http://www.voltairenet.org/Los-Emiratos-Arabes-Unidos-crean

[32] Nouvelle croisade contre la Syrie L’art de la guerre. Manlio Dinucci. 6 decembre 2011. Ilmanifesto.it http://www.ilmanifesto.it/area-abbonati/in-edicola/manip2n1/20111206/manip2pg/14/manip2pz/314543/

[33] G. Malbrunot Le Figaro Cf. 29 nov.

[34] Le Canard enchaîné » y Milliyet citados en : The shadow war in Syria. La guerre de l'ombre en Syrie. Pepe Escobar. L'oeil vif. 4 decembre 2011. Asia Times/Comaguer
www.mondialisation.ca/index.php?context=viewArticle&code=ESC20111204&articleId=28028

[35] The March to War: Iran and the Strategic Encirclement of Syria and Lebanon. Mahdi Darius Nazemroaya. Global Research, December 24, 2011. Strategic Culture Foundation – 2011-12-02. www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=28018

[36] Syrie: le génocide de l’OTAN approche. Tony Cartalucci. Decembre 2011. landdestroyer.blogspot.com
http://landdestroyer.blogspot.com/2011/11/syria-nato-genocide-approaches.html

[37] http://www.brookings edu7Emediafilesrcpapers200906iranstrategy06iranstrategy.pdf
http:landdestroyer.blogspot.com201105which-path-to-Persia-Redux.html

[38] http://landdestroyer.blogspot.com/2011/04/color-revolutions-mystery-gunmen.html

Postado do Boletin Armas contra a Guerra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário